martedì 23 febbraio 2010

O hífen e os males do Acordo

Um dos temas mais polêmicos e que ocupa o maior número de bases do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa é o hífen. O Novo Acordo fez uma bela salada ao elaborar as regras para o uso do hífen. Apresentarei aqui no Blog alguns dos pontos difíceis com exemplificações.

Hoje dou algumas informações sobre “mal” e “mau”, que são palavras usadas como primeiro elemento de muitas expressões e em geral exigem hífen.

Mal vem do latim: malus, mala, malum = mal, no sentido de calamidade; castigo; desgraça; doença; dor; prejuízo; enfim, o que prejudica. Neste caso é substantivo. Ex. A multa para quem atravessa o sinal vermelho é o mal menor. “Mal” é o antônimo de “bem”.

Um segundo significado da mesma palavra: Mal advérbio de modo ou de qualidade, neste caso o termo português origina-se também do latim, male = mal, no sentido de erradamente, escasso, de modo irregular... Ex. de advérbio: “As rígidas verdades mal sabidas”. (Gonçalves Dias).

Um terceiro sentido é Mal como conjunção temporal. Neste caso é apenas uma questão do sentido em que se emprega a palavra. Mal é conjunção quando na frase ele significa ou pode ser substituído por: apenas, logo que, assim que; ex. Mal recebeu a carta, ele partiu; mal a Ofélia abria a boca, todos começavam a rir.

Quando o termo “mal” aparece como primeiro elemento de uma expressão (seja ou não considerado prefixo), em geral exige o hífen. Exemplos no quadro abaixo:

mal-acabado mal-agradecido mal-amado mal-arranjado
mal-acondicionado mal-afamado mal-americano mal-arrumado
mal-aconselhado mal-afeiçoado mal-andança mal-assado (a)
mal-adaptado mal-afortunado mal-andante mal-assimilado
mal-afamado mal-agourado mal-apanhado mal-assimilação
mal-afeiçoado mal-agradecido mal-apessoado mal-assombrado (a)
mal-afortunado mal-ajambrado mal-apresentado mal-aventurado
mal-agourado mal-ajeitado mal-armado mal-avindo
mal-avisado mal-canadense mal-céltico mal-curado (a)
mal-educado mal-empregado mal-encarado mal-enganado
mal-engendrado mal-engraçado mal-ensinado mal-entendido
mal-entrada mal-escossês mal-estar mal-estreado
mal-francês mal-gálico mal-germânico mal-humorado
mal-ilírico mal-indiano mal-intencionado mal-irlandês
mal-italiano mal-mal mal-ordenado mal-ouvido
mal-triste má-assimilação má-língua más-línguas (pl.)

Atenção: Má vontade não tem hífen. Numerosos termos que aparentemente seriam separados formam uma só palavra. Ex.: malcriado; malcasado; malcontente; malcozido; malcriação; maldisposto; malditoso; maldormido; maldotado; malfeliz; malgostoso; malgovernado; maljeitoso; malquerença, etc. Na dúvida é preciso consultar o VOLP/2009ou o Antônio Houaïs, 2009, que já trazem o vocabulário conforme o Acordo Ortográfico.

Mau vem do latim, malum, mali = mal, no sentido de o que causa prejuízo, incômodo ou doença; o que não é de boa qualidade; que exprime malvadez; sem talento ou sem arte; irregular; imperfeito; de má qualidade; difícil; perigoso; nocivo; prejudicial; funesto; perverso... ex: o assassino era de maus instintos; o impostor um mau-caráter... Mau pode ser também termo interjetivo, em geral numa locução interjetiva. “Mau” é o antônimo de “bom”.

Curiosidade: Existe um pássaro chamado maú, que também é conhecido como urutaí ou urutuaí.

Eis alguns exemplos de quando “mau” exige hífen


mau-caráter mau-caratismo mau-mau* (Quênia) mau-olhado
maus-tratos (pl.) mau-vidente má-vidente (fem.) más-videntes (f. pl.)


São vários os termos que deixam dúvida e, por isso, é bom consultar o VOLP atualizado. Exemplo: mau humor; mau gosto; mau hálito; maus modos; mau pintor etc.

Atenção para a expressão: mau-mau. O mau-mau, (que não consta no VOLP/2009), foi um ativo movimento guerrilheiro nacionalista que surgiu no Quênia, a partir de 1948, entre a população kikuyu, que lutou pela independência do Quênia, então colônia do Reino Unido. Seu grande líder foi Jomo Keniatta *1889 †1978, que formou-se em Londres em 1937 e cuja tese, “Diante do Monte Kênya”, recebeu grandes elogios do antropólogo Stanislaw Malinowski. O Quênia ficou independente em 1963 e Jomo Kenyatta foi presidente até morrer, em 1978. Sucedeu-lhe seu vice-presidente Daniel Arap Moi.

Não há razão para se escrever “quicuiu”, o nome do povo de onde veio Jomo Kenyatta, assim como a grafia desse país, seguindo o Acordo Ortográfico deveria ser: Kênya.

Zacharias Bezerra de Oliveira

2 commenti:

  1. Isso posto, estarei sempre por aqui tentando decifrar o idioma onde me esforço para me comunicar.
    Um abraço, Fr. Hermínio!

    RispondiElimina
  2. Excelente me ajudou em uma dúvida e me ensinou muito.

    RispondiElimina